Adaptação

ADAPTAÇÃO ESCOLAR - EDUCAÇÃO INFANTIL

O ingresso da criança na escola constitui um grande passo na vida dela e dos pais. É o primeiro momento em que deixará sua casa para passar um período maior de tempo acompanhada por pessoas, até o momento, desconhecidas. A separação, apesar de necessária, é um processo delicado, tanto para a criança quanto para a família, mas é superado em pouco tempo. Para que esse passo seja facilitado e que a criança atravesse tranquilamente esta nova fase de sua vida, é importantíssimo que pais e professores realizem uma ação compartilhada, para que, juntos, possam apoiar a criança, reduzindo ao máximo o desgaste na Adaptação. Portanto, a escola se coloca à disposição, programando o horário de saída, logo na primeira semana de aula, para que a criança se acostume
gradativamente com o novo ambiente e, assim, passe a confiar nos adultos que irão tomar conta dela.
Cada criança reage de forma diferente diante de situações novas. Algumas apresentam reações de medo e ansiedade, manifestando esses sentimentos através de choro. Outras, encaram o ingresso na escola de forma tranquila e natural. Contudo, seja qual for a situação, a escola busca de todas as
maneiras facilitar o processo, usando de muito carinho, dedicação, paciência e profissionalismo para que elas se adaptem da melhor forma possível. A nossa psicóloga está à disposição caso desejem agendar um horário para o esclarecimento de dúvidas.

Dicas para facilitar o período de adaptação

1 - A vinda da criança para a escola deve ser preparada. No entanto, evite dar a ela longas explicações, pois isso poderá despertar suspeitas e insegurança;

2 - Se seu filho faz uso de algum objeto afetivo, como ursinho, paninho, cobertor, etc., traga-o para a escola nestes primeiros dias de aula. Será uma forma da criança sentir-se segura;

3 - Nesse período, mudanças na rotina da criança deverão ser evitadas, como, por exemplo, retirada de chupeta e/ou mamadeira e/ou de qualquer outro hábito ao qual ela esteja acostumada. O ideal é esperar a total adaptação escolar para que a criança não se sinta sobrecarregada emocionalmente. No caso de mudanças inevitáveis, como: troca de residência, perda de entes queridos, separação dos pais, etc., a coordenação deverá ser comunicada;

4 – O choro na hora da separação é frequente e nem sempre significa que a criança não queira ficar na escola. Já a falta dele também não significa que ela não esteja sentindo a separação.

5 - Existem crianças que já no primeiro dia se despedem da mãe e se integram com as demais. Neste caso, não há necessidade de o programa de adaptação prolongar-se;

6 - Não force a criança a ficar na escola;

7 - Evite comentários sobre a adaptação da criança na presença dela;

8 - Não é recomendável deixar o educador com o encargo de retirar a criança do colo dos familiares, para não passar a sensação de afastamento; Cabe à família entregar a criança ao educador, colocando-a no chão e incentivando-a a ficar na escola;

9 - Nunca saia escondido de seu filho. Despeça-se naturalmente;

10 – Procure se despedir de seu filho brevemente, uma vez que a presença da família na sala de aula, além de dificultar a compreensão da separação, afeta as outras crianças que também sentirão a ausência dos seus familiares;

11 - Incentive a criança a procurar a ajuda do seu educador quando necessitar algo, para que o laço afetivo entre eles se consolide com mais facilidade;

12 - Lembre-se que o educador atende as crianças em grupo, procurando distribuir sua atenção igualmente, promovendo junto à família a integração da criança;

13 – Procure transferir segurança à criança através de comentários positivos a respeito de seu ingresso na escola, para que, assim, se adapte melhor à nova situação;

14 - O período de adaptação varia de criança para criança, é único e deve ser avaliado individualmente. Evite comparações;

15 - Caso percebam resistência da criança em comentar as atividades que desenvolveu no período escolar, evite insistir no assunto, oportunizando comentários de maneira espontânea;

16 - Poderão ocorrer algumas regressões de comportamento durante o período de adaptação, assim como alguns sintomas psicossomáticos (febre, vômitos, diarreia, insônia, falta de apetite etc);

17 - Procure não fazer trocas com seu filho dizendo que se ficar bem na escola irá levá-lo para passear ou irá presenteá-lo, por exemplo;

18 - É comum verificar nessa fase uma ambivalência de sentimentos. O desejo de autonomia da criança e a necessidade de proteção ocorrem simultaneamente;

19 - Cuidado com a aparente adaptação. Poderá acontecer de seu filho ter uma recaída depois de alguns dias de aula. Então, procure conversar com a professora para saber como ele vem participando das atividades. Às vezes, a criança só quer chamar sua atenção. Neste momento, é importante ser
firme. Em alguns casos, é preciso fazer uma readaptação. A escola lhe orientará;

20 - Em caso de dúvidas quanto ao comportamento de seu filho, ou quanto às condutas adotadas pela escola, procure a coordenação, que estará à disposição para esclarecê-lo e ajudá-lo sempre que necessário.

Atenciosamente, Equipe Pedagógica.

Desenvolvido por ledz.com.br