Blog

  • 30
  • NOV
  • 2017

"Os Miseráveis", por Karina Anjos, 8º A

Na aula de Literatura dos 8ºs ano, cada aluno deveria apresentar ou representar a cena que mais gostou do livro "Os Miseráveis". Muitos fizeram teatros, apresentação de slides e a aluna Karina Anjos, do 8º A, fez este lindo desenho, repleto de simbolismo e emoção, exatamente como é essa belíssima e clássica história, obra-prima de 1862 do escritor francês Victo Hugo.

Parabéns Karina!

 

 

 

  • 23
  • NOV
  • 2017

Carta ao mundo da fantasia

 A Ana Heloísa, aluna do 7º ano A, mandou essa carta para a Alice, como se estivesse mesmo no País das Maravilhas do século XVII. A prática fez parte da atividade onde os alunos deveriam escrever uma carta para algum personagem de livro que eles tinham lido recentemente. Confira e entre você também no mundo da fantasia.

 

País das Maravilhas, 27 de setembro de 1725.

Querida Alice,

Gostaria que voltasse ao País das Maravilhas, pois precisamos da sua ajuda para combater a Rainha Vermelha. Venha preparada, não sabemos o que nos espera.

E, também, sentimos muito a sua falta, principalmente o Chapeleiro. Todos estaremos te esperando. E torcemos que consiga vencer a Rainha Vermelha!

Para conseguir entrar no País das Maravilhas, terá que seguir o coelho; espero que ele não esteja atrasado. Se estiver, corra atrás dele até o buraco.

Venha logo para tomarmos um chá!

Com carinho,

Rainha Branca 

  • 15
  • NOV
  • 2017

Curitiba mantém apenas 14 % da vegetação nativa, por Gabriel Carmona - 6A

Há muita pouca vegetação natural de Curitiba de 300 anos atrás, de quando ela foi fundada. Dados da ONG Sociedade de pesquisas em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVSEA) mostram que a cobertura nativa ocupa apenas 14,13% das áreas da Grande Curitiba, que tem 14 municípios.

Apesar de ser um número pequeno, a situação no restante do Estado é bem mais crítica. Tanto que Curitiba e região estão em sétimo lugar no ranking de preservação, com 3,98% do total de floresta nativa do estado.

 

*Produzido na aula de Oficina de Texto no gênero divulgação científica.

  • 06
  • NOV
  • 2017

Entrevista : Aluno do 5º ano da Bambinata entra para o Bolshoi

Por Beatriz Sousa e Artur Tebaldi (7ºA);  e Jennifer Martins, Thiago Prado e Vitória Geremias (7ºB). Sob a orientação da Profª Juliane.

O balé é um estilo de dança que surgiu na Itália, durante o século XV, porém, também ganhou destaque em outros países como França, Inglaterra e Rússia.

Uma das mais prestigiadas escolas de balé é o Teatro Bolshoi, localizado em Moscou, capital da Rússia. O Bolshoi, que em russo significa “grande”, foi fundado em 1776. Contudo, o Teatro Bolshoi da Rússia tem uma única filial: a Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, localizada em Joinville (SC), fundada em 15 de março de 2000. Seu objetivo é proporcionar a formação de artistas da dança, ensinando a técnica de balé segundo a metodologia Vaganova, dança contemporânea.

Recentemente, o aluno do 5ºano da Escola Bambinata, Gabriel Alberto Briceño de Barros que, após fazer três testes - onde passou em todos, foi aprovado no Bolshoi de Joinville, concorrendo com outros 600 inscritos, numa disputa de 60 candidatos por vaga. Nós, alunos dos 7ºanos A e B fizemos uma entrevista com o bailarino:

  1. Como e quando você decidiu começar a fazer balé?

Gabriel: Quando eu tinha três anos comecei com a patinação. Adorava pular e, depois de muitas tentativas e motivação, consegui passar no Teatro Guaíra, e comecei a fazer ballet.

  1. Você já participou de muitos festivais e espetáculos? Quais?

Gabriel: Eu me apresentei 12 vezes no teatro Guaíra no ano passado (2016) em A Bela e a Fera. Também me apresentei em 2015 na Bambinata na peça Cravo e a Rosa. E Peter Pan no Teatro Positivo este ano.

  1. Qual o seu espetáculo preferido?

Gabriel: Quebra-nozes, porque possui movimentos mais leves e doces.

  1. É difícil conciliar as aulas de balé com a escola?

Gabriel: Sim, pois os horários coincidem, porém, não me atrapalha no desempenho escolar.

  1. Qual o seu maior sonho?

Gabriel: Fazer o Entrachat Six e dançar Quebra-Nozes.

  1. Para você, dançar é...

Gabriel: Um modo de se expressar, “sinto-me como um passarinho quando danço”.

  1. Qual foi sua sensação de se apresentar como protagonista na peça Peter Pan?

Gabriel: Foi legal, mas não tão empolgante, pois eu já tinha me apresentado outras vezes.

            8) Você acredita que bailarinos homens tenham alguma desvantagem em relação às meninas?

Gabriel: Não, inclusive têm mais vantagens, pois as meninas têm muita concorrência.

  1. Você pretende continuar com a carreira de bailarino?

Gabriel: Sim

            10 )Que dicas você dá para quem tem interesse em iniciar balé?

Gabriel: Não encare os professores, são russos e mais duros que os militares!

Desenvolvido por ledz.com.br