Memórias

Recado da Fono

09/09/2013 | « voltar

A construção de textos é curricular. Desde que o aluno inicia o processo acadêmico ler e escrever passa a ser uma prioridade. Prioridade de quem? Da escola, sem dúvida que tem obrigação de formar, de transmitir um saber de apresentar letras, palavras e regras da língua estudada. Porém, algumas iniciativas neste contexto contribuem para a missão de despertar no aluno o desejo de conquistar o universo da leitura e da escrita.

Uma abordagem da Fonoaudiologia Educacional com as turmas de 2º. Ano  teve este objetivo. Ao ler um texto, vivenciá-lo numa dramatização e oportunizar a reescrita da historia os alunos conheceram personagens, compreenderam sua importância na formação do texto e exercitaram a autoria. O que isso quer dizer se nos remetermos à língua portuguesa? Quer dizer aprendizagem de elementos como substantivos, verbos, adjetivos, coesão e coerência textuais. Tão logo a alfabetização se consolide, acreditamos que é fundamental que o aluno possa ter diferentes experiências de leitura e escrita e se torne agente desse conhecimento. 

Interessante pensarmos que vivemos um momento em que as escolas tem papel fundamental na formação de “indivíduos pensantes” que entendam o valor da escrita convencional e da interpretação da leitura para além dos muros da escola. Nosso objetivo maior é que nossos alunos conquistem a autonomia através do poder de argumentação e a liberdade que o conhecimento permite. 

Desenvolvido por ledz.com.br